segunda-feira, 19 de junho de 2017

Catálogo com novos candidatos a exoplanetas

A equipe do telescópio espacial Kepler da Nasa lançou um catálogo que apresenta 219 novos candidatos a exoplanetas, 10 dos quais são de tamanho quase terrestre e orbitam na zona habitável de sua estrela, que é a distância de uma estrela onde a água líquida poderia agrupar na superfície de um planeta rochoso.

ilustração de exoplanetas orbitando sua estrela

© NASA/JPL-Caltech (ilustração de exoplanetas orbitando sua estrela)

Esta é a versão mais abrangente e detalhada do catálogo de exoplanetas candidatos, que são planetas fora do nosso Sistema Solar, dos primeiros quatro anos de dados do telescópio espacial Kepler. É também o catálogo final da exploração do céu na constelação do Cygnus.

Com o lançamento deste catálogo, derivado de dados publicamente disponíveis no NASA Exoplanet Archive da NASA, existem agora 4.034 candidatos a exoplanetas identificados pelo Kepler. Dos quais, 2.335 foram comprovados como exoplanetas, sendo que cerca de 50 candidatos na zona habitável de tamanho terrestre detectados pelo Kepler, mais de 30 foram comprovados.

Além disso, os resultados usando dados do Kepler sugerem dois agrupamentos de tamanho distintos de planetas pequenos. Ambos os resultados têm implicações significativas para a busca de vida. O catálogo final do Kepler servirá de base para mais estudos para determinar a prevalência e a demografia dos planetas na galáxia, enquanto a descoberta das duas populações planetárias distintas mostra que cerca de metade dos planetas que conhecemos na galáxia não têm superfície, ou está sob uma atmosfera profunda e esmagadora, um ambiente improvável de hospedar a vida.

O telescópio espacial Kepler caça planetas detectando a minúscula queda no brilho de uma estrela que ocorre quando um planeta cruza em frente a ela, chamado de trânsito.

novos candidatos a exoplanetas no catálogo do Kepler

© NASA/Ames Research Center/W. Stenzel (novos candidatos a exoplanetas no catálogo do Kepler)

Esta é a oitava versão do catálogo de candidatos a exoplanetas do Kepler. Os dados coletados permitirão determinar quais as populações planetárias, desde os corpos rochosos do tamanho da Terra até gigantes de gás do tamanho de Júpiter, constituem a demografia planetária da galáxia.

Para garantir que muitos planetas não foram perdidos, a equipe apresentou seus próprios sinais simulados de trânsito do planeta no conjunto de dados e determinou quantos foram identificados corretamente como planetas.

Um grupo de pesquisa aproveitou os dados do Kepler para fazer medidas precisas de milhares de planetas, revelando dois grupos distintos de planetas pequenos. A equipe encontrou uma divisão limpa nos tamanhos de planetas rochosos, do tamanho da Terra e planetas gasosos menores que Netuno. Poucos planetas foram encontrados entre estes agrupamentos.

Usando o Observatório W. M. Keck no Havaí, o grupo mediu os tamanhos de 1.300 estrelas no campo de visão do Kepler para determinar os raios de 2.000 planetas com precisão requintada.

Parece que a natureza geralmente faz planetas rochosos até cerca de 75% maiores do que a Terra. Por razões que os cientistas ainda não entendem, cerca de metade destes planetas absorvem uma pequena quantidade de hidrogênio e hélio que aumentam dramaticamente seu tamanho, se juntando à população mais próxima do tamanho de Netuno.

Fonte: Ames Research Center

Nenhum comentário:

Postar um comentário